16.4.19

O 25 de Abril de 1974 na Figueira da Foz

Quando ocorre a Revolução de 25 de abril de 1974 havia 2 quartéis na Figueira da Foz, o CICA 2 no Pinhal e o RAP 3 na Lapa. 
Dentro do RAP 3 e do CICA 2 poucos estariam a par da revolução que há muito se preparava e só três militares pertenciam ao Movimento das Forças Armadas (MFA), os capitães Diniz de Almeida e Fausto Pereira do RAP 3 e Sousa Ferreira do CICA 2. 
No RAP 3, o capitão Dinis de Almeida preparava há muito a revolta junto dos seus recrutas, cantando com eles os versos de António Aleixo: «Vós que lá do vosso Império/Prometeis um mundo novo/Calai-vos, que pode o povo/Querer um mundo novo e sério» e «Que importa perder a vida/Em luta contra a traição/Se a Razão mesmo vencida/Não deixa de ser Razão?»
Na madrugada de 25 de abril de 1974, da Figueira da Foz, do RAP 3, da Praça Dr. Francisco Lopes Guimarães, partiu “a caravana da liberdade”, comandada pelos capitães Dinis de Almeida e Fausto Pereira, que teria um papel de relevo no sucesso da implantação de um regime democrático em Portugal. 
A “caravana da liberdade” era constituída por 1 coluna militar proveniente do RI 10 de Aveiro, 1 coluna militar originária do RI 14 de Viseu, 1 companhia do CICA 2 e uma bateria do RAP 3 e ainda alguns oficiais provenientes da Escola de Sargentos de Águeda (ECS). 
Este contingente militar foi denominado de Agrupamento Militar Norte e, pelo alvorecer do dia, deslocar-se-ia da Figueira da Foz em direção ao Forte de Peniche e depois a Lisboa onde ocuparam a Região Aérea de Monsanto. 
Pela 1 hora da madrugada, do dia 25 de abril, os capitães Ferreira da Cal, Góis Moço, David Martelo e Lucena Coutinho e o tenente Garcia, vindos da Escola Central de Sargentos de Águeda (ECS), aproximam-se do quartel do RAP 3, onde ainda quase nada tinha acontecido.
Estes 5 oficiais, provenientes de Águeda, pertenciam ao MFA e vinham apoiar o comando das operações na Figueira da Foz onde só havia 3 oficiais do Movimento das Forças Armadas.
Pelas 2 horas e 30 minutos, os capitães Diniz de Almeida e Almeida Pereira abrem o portão do RAP 3 aos oficiais da ECS que no exterior do quartel aguardavam há mais de 2 horas a oportunidade para entrar. 
Iniciam de imediato o plano de controlo do RAP 3, detendo os seus oficiais subalternos milicianos e o comandante da unidade, coronel Sílvio Aires de Figueiredo. 
Pelas 3 horas e 40 minutos, chega ao RAP 3 a coluna do RI 10 de Aveiro, comandada pelo capitão Pizarro. 
A coluna do RI 10 chegou antes da hora prevista, o que veio alterar os planos anteriormente definidos. O movimento gerado só não acordou o coronel Aires de Figueiredo e o major Malaquias porque não se encontravam no quartel. 
Entretanto, o comandante do RAP 3, coronel Sílvio Aires de Figueiredo, soube das manobras no RAP 3 e dirigiu-se ao quartel, onde foi detido pelo capitão Dinis de Almeida. 
Decorrerá ainda algum tempo até que se constitua o Agrupamento Norte. A coluna do RAP3 demora a formar, é preciso municiar as tropas chegadas de Aveiro (RI 10) e aguarda-se que cheguem as forças do CICA 2 e do RI 14. 
O comando do RAP 3 passa a ser assumido pelo capitão Ferreira da Cal, como oficial mais antigo, entretanto chegado da ECS de Águeda. 
Pelas 3 horas e 55 minutos, sai de Viseu a companhia auto transportada do RI 14, comandada pelo capitão Silveira Costeira, constituída por 4 viaturas pesadas, 1 ambulância e 1 viatura de exploração civil. Passa por Tondela, Santa Comba Dão, Luso, Anadia e Cantanhede, dirigindo-se para a Figueira da Foz. 
Pelas 6 horas, entra no quartel do RAP 3 uma coluna do CICA 2 onde estava o oficial miliciano Jaime Gama, futuro ministro. 
Pelas 7 horas, o Agrupamento Norte, envolvendo nesta altura forças do RAP 3 e do CICA 2, ambos da Figueira da Foz, e do RI 10 de Aveiro, sai do quartel do RAP 3 e dirige-se em direção a Leiria com 6 bocas-de-fogo de 105 mm e cerca de 300 homens transportados em 40 viaturas. 
Pelas 7 horas e 30 minutos, os militares do RI 14 de Viseu chegam à Figueira da Foz. Avançam em direção a Leiria, juntando-se no percurso aos restantes militares que tinham saído às 7 horas, assumindo o comando o capitão Gertrudes da Silva. 
O Agrupamento tem agora cerca de 60 viaturas e mais de 500 homens.
Pelas 10 horas e 30 minutos, o Agrupamento Norte comandado pelo capitão Gertrudes da Silva atinge Peniche. A companhia do CICA 2 e duas secções de obuses do RAP 3, sob comando do capitão Gertrudes da Silva, cercam a prisão de Peniche e o grosso da coluna segue para Lisboa.
Pelas 21 horas, os militares do RAP 3 e da EPI deslocam-se ao Comando da 1ª Região Aérea, em Monsanto, prendem os ministros da Defesa, do Exército e da Marinha, e de outras altas patentes militares que ali se haviam refugiado desde a tarde, conduzindo-os ao RE 1. 
No dia 26 de Abril, pelas 13 horas, inicia-se a libertação dos presos políticos nas cadeias de Caxias e Peniche, com a participação de militares do CICA 2 e do RAP 3. 
Foi esta a heroica participação dos militares do RAP 3 e do CICA 2, permitindo-nos viver hoje num país democrático, com liberdade de expressão e de reunião, com partidos políticos, com liberdade sindical, com direito à greve, sem censura, sem presos políticos, sem guerra colonial e com menor atraso cultural, social e económico relativamente aos restantes países da Europa. (Texto de Fernando Curado, 14.04.019)

3.1.19

Cortejo, chegada e Autos dos Reis Magos 2019 na Figueira da Foz

Programa de 5 de janeiro: 
20h30, Praça 8 de Maio: Animação de música tradicional pelo Grupo de Cantares Praia Mar (GIS); 
20h30, Ponte do Galante até à Praça 8 de Maio - Cortejo da Espera dos Reis: inicio junto à Ponte Galante com abertura pela fanfarra dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz e o encerramento a cargo dos Gaiteiros Quiaenses. 
O cortejo deverá envolver cerca de 80 pessoas e integrará, para além das figuras centrais dos três Reis Magos montados a cavalo e de elementos da secção dramática da coletividade e populares, participantes das seguintes instituições: Grupo em formação de Escoteiros de Maiorca, Rancho Cavadores do Saltadouro e Mulheres de Tavarede. 
Percurso: Início pela rua de Buarcos, desce a Rua da Liberdade, segue pela ua Dr. Maestro David Sousa e depois pela Bernardo Lopes passando em frente ao Casino, desce a Rua Cândido dos Reis, vira em direção ao Mercado (Passeio Infante D. Henrique) e segue para o Largo do Carvão, depois pela Rua 5 de Outubro até ao topo da Praça 8 de Maio. 
Uma vez junto à lapinha, os 3 Reis Magos descerão dos seus cavalos e encenarão a entrega dos presentes ao Menino Jesus, lendo trechos do Auto dos Reis Magos, e posteriormente farão distribuição de guloseimas pelas crianças presentes. 
Depois o cortejo seguirá para a sede da coletividade pela rua da República / rua Dez de Agosto / rua das Rosas.
Auto dos Reis Magos no sábado dia 5 de janeiro de 2019 (22h00) e 6 de janeiro (16h00) representado pela Secção Dramática da Sociedade Filarmónica Dez de Agosto em quatro atos, com a duração de cerca de 60 minutos.

1.1.19

Noite / madrugada de Passagem de Ano 2018/2019 numa Figueira da Foz movimentada, animada e com fogo de artifício agradável!

Muita gente na rua...
Animação e bailaricos em vários locais

Os espetáculos:


O fogo de artifício:





Uns ´parabéns' ao Urbano que neste dia 01 de janeiro de 2019
 comemorou 62 anos...
...e uma dúvida pertinente de Rowan Atkinson: