1.4.17

Papa Francisco na Figueira da Foz!?


22.3.17

Zé Carlos 'cartoonista'


José Carlos Costa Ferreira é figueirense de gema e nasceu no dia 3 de Outubro de 1946. Tendo concluído o curso de carpinteiro-marceneiro na então Escola Industrial e Comercial (hoje Escola Bernardino Machado) tirou, anos mais tarde, o bacharelato na área da construção civil como Agente Técnico de Arquitectura e Engenharia.
Desde cedo que o seu jeito para o desenho se evidenciou. O seu traço inconfundível já lhe valeu o direito de ser um nome incontornável no exigente Mundo das Artes.
Dedicou-se às colectividades onde já levou a efeito várias mostras de trabalhos seus e de outros artistas, por entender que a cultura não deve ser exclusivamente citadina.
Com vastas e reconhecidas participações em diversas exposições, é na caricatura e sobretudo no cartoon que Zé Carlos (o seu nome de "guerra") desenvolve sua arte. Ultimamente é também na criatividade de troféus que é bastante apreciado e solicitado.
A varina
Varina – goela aberta
Vai bom peixe apregoando,
E o seu manel – olho alerta!
Gosta bem… de a ver gingando!
 Homens do mar
Lobo do mar – com valor,
Sua vida sempre arrisca!
E fuma, no seu labor,
Um bom cachimbo ou pirisca!
*****************************************************************************
A mulher dos bolos
Lá vai ela com os bolinhos,
Cesta à cabeça, estafada!
Oferecê-los bem quentinhos,
Lá na praia…à garotada!
O banheiro
Com ar despreocupado,
Aluga toldos, barracas,
Cadeiras ao mais cansado,
E às velhotas… almofadas!
*****************************************************************************
O rapaz dos gelados
Quando apertam os calores,
Num vai e vem sem parar,
Vende, de muitos sabores,
Gelados p’ra refrescar!
O engraxador
Pinoca? Lá isso é…
Anda todo aperaltado.
Mas ao engraxador o pé,
Só metade… está calçado!
*****************************************************************************
A mulher das pevides
Sentadinha, recostada
Tabuleiro à sua frente
A pevide…empacotada!
A pobres e ricos… vende!
O homem das castanhas
Quentes e boas, quentinhas!
Seu cheiro perfuma o ar.
No assador, às voltinhas,
Ouve-se o sal a estalar!
******************************************************************************
 
A vendedeira de pixas
Confusões, não acontecem,
Quando as pixas apregoa.
Com camarão se parecem
Come-as muita gente boa!
O gravateiro
Uns, usam-nas com vaidade,
Nós bem feitos, delicados.
Outros nem têm saudade…
São os tais desgravatados!
***************************************************************************
O “pitrolino”
Bons tempos do pitrolino,
Da bem cheia almotolia!
Agora?... fia mais fino,
Qualquer fio… nos alumia!
 A mulher da lavagem
Sempre aos cheiros resistia,
A custo, mas com coragem!
Pior vida… não havia,
Que o “recolher” da lavagem!
******************************************************************************
O amola-tesouras
Mil tesouras e navalhas,
Que amolas, sem descansar!
Se a gaita tocas, não falhas…
É o Inverno a chegar!
O cauteleiro
Treze, no boné de sola…
Tentação, sorte e azar!
Se “andar” hoje… não se rala!
Pois só sai... a quem jogar! 
*****************************************************************************
O fotógrafo “a la minute”
Namorados – que alegria!
No jardim, trocam beijinhos.
Pousam p’rá fotografia…
E olham p’ró passarinho!
O carteiro
Pomba branca… será paz,
N’um barco bem prazenteiro?
Ou será que a carta traz…
As tristezas… d’um carteiro?
******************************************************************************
O “caga lume”
Nesses tempos a luz triste
Nem dava p’rós gatos ver!
E o “faz” lume, não desiste…
E vai… de tudo acender!
O catitinha
Com seu apito afinado
A criançada chamava.
Era um “castiço” engraçado…
Pois… só mãozadas lhes dava!
*****************************************************************************
O carvoeiro
Carvão, bolas e carqueja,
Carro tosco e uma balança!
A ninguém causava inveja…
Pó preto… cheio d’esperança!
O amola-tesouras
Mil tesouras e navalhas,
Que amolas, sem descansar!
Se a gaita tocas, não falhas…
É o Inverno a chegar!
******************************************************************************
O polícia sinaleiro
O condutor distraído
Obedecia e andava!
Mas o Baptista atrevido…
À “fava” todos mandava!
Os saltimbancos
Saltimbancos… infelizes
Nas cambalhotas da vida…
A “cabra” alegre os petizes
Mas a esperança está perdida!
*****************************************************************************

O padeiro
Pedalava bem ligeiro,
Levando o pão à freguesa,
E… quem não via o “padeiro”
Tinha fome concerteza!
O porteiro do Casino
Almirante se julgava,
Tanto galão e estrelinhas!
Mas afinal… só guardava
O bom “Páteo das Galinhas”! 
***************************************************************************
Postais ilustrados             Canção da Figueira
------------------------------Trabalhos diversos------------------------------























Mais trabalhos do Zé Carlos 'cartoonista'




----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------











António Flórido / Figueira da Foz = O Palhetas na Foz Jornal Online